O incrível mundo das cordas no tênis

Equipamentos Aug 22, 2017

Hoje em dia os tenistas tem uma série de opções na hora de escolher o encordoamento de sua raquete. Modelos que variam entre 30 até 350 reais e apresentam o que há de mais moderno em tecnologia, buscando atender individualmente cada demanda. Para a elaboração desse artigo, contamos com a colaboração de Ricardo Quissak, sócio da loja online Tennis Classic e que entre 1992 e 2006 foi o responsável pelo encordoamento das raquetes do time brasileiro na Copa Davis, além de ter trabalhado com tenistas como Anna Kournikova, Martina Hingis e Gustavo Kuerten entre 1998 e 2004.

Para avaliação na hora da escolha da corda e da tensão, o tenista deve se atentar para uma série de fatores, como seu estilo de jogo, tipo de piso no qual jogará, condições climáticas e do ambiente, como, por exemplo, vento, umidade e até altitude, que serão fundamentais para que a escolha seja a mais assertiva possível.

Em pisos mais rápidos ou em locais com maior altitude, recomenda-se que a tensão seja mais alta, para garantir maior controle, em contrapartida em pisos mais lentos ou em locais que em nível do mar, a opção recomendada é por tensões menores para gerar mais potência nos golpes.

A escolha da corda e da tensão é muito pessoal e depende de muitos fatores como: peso da bola, temperatura e condições climáticas. Hoje em dia temos disponíveis inúmeras opções para atender a demanda de cada tenista. Os profissionais, por exemplo, costumam levar para o jogo raquetes com diferentes tipos de tensão, para estarem preparados para qualquer tipo de situação dentro do jogo.” afirma Quissak.

Tensão e cordas dos profissionais

Há muitos mitos e verdades quando o assunto é tensão das cordas, algo que deixa o tenista indeciso na hora de encordoar sua raquete. Um fator importante é o padrão de cordas da raquete, isto é, a disposição entre as cordas na vertical e horizontal. Eles podem variar de um padrão mais aberto 16x19 que oferece maior velocidade, conforto e spin para o mais fechado, 18x20, que propicia ao tenista maior controle e durabilidade da corda.

Ricardo já teve oportunidade de trabalhar com grandes nomes do tênis, inclusive com Gustavo Kuerten, maior tenista brasileiro e conta uma curiosidade do catarinense "Antes de começar a encordoar para o Guga na Copa Davis ele encordoava com 62 libras. Quando comecei a fazer eventos com ele, a partir de 1998, essas tensões foram mudadas para se adaptar a cada piso e fator".

Um dos maiores tenistas de todos os tempos, o norte-americano Pete Sampras, por exemplo, costumava a jogar com incríveis 70 (!) libras e uma das histórias contadas é que colocava suas raquetes em um freezer para que não houvesse a mínima perda possível de tensão. Em contrapartida, o italiano Fillipo Volandri jogava com meras 24,2 libras.

Levando em consideração o avanço tecnológico, hoje em dia poucos tenistas optam por altas tensões. Uma exceção a esta regra é o alemão Dustin Brown, que já chegou a utilizar 71 libras em suas raquetes.

Roger Federer utiliza libragem entre 45 e 48 libras, Novak Djokovic prefere encordoar com tensão entre 56 e 59 libras, enquanto que Rafael Nadal prefere manter as cordas na casa das 55 libras. Conhecido pelos potentes golpes, o argentino Juan Martin Del Potro utiliza 62 libras, mesma tensão utilizada pelo Escocês Andy Murray.

Entre as mulheres, as irmãs Williams costumam a encordoar suas raquetes na casa das 66 libras, maior tensão entre as tenistas top. Simona Halep joga com cordas entre 53 e 55 libras enquanto que Caroline Wozniacki utiliza 54 libras.

Entre os brasileiros, o duplista Marcelo Melo costuma encordoar com tensão de 44 libras. Thomaz Bellucci, número 1 do país, joga com tensões que variam entre 48 e 50 libras, ao passo que João Souza, o Feijão, mescla suas raquetes com tensões de 44, 45 e 49 libras.

Quando a questão é tipo de corda utilizado no circuito profissional pode-se afirmar que 95% dos jogadores profissionais masculinos, e uma boa fatia do feminino, usam o copolímero. “A vantagem do copolímero para o jogador é que ao pegar a raquete recém encordoada é bem difícil quebrar em dois sets, por exemplo” conta Quissak.

O suíço Roger Federer, por exemplo, costuma a misturar dois tipos de corda, um copolímero na vertical e uma tripa natural na horizontal. Nadal e Djokovic, reconhecidos por serem grandes trocadores de bolas optam pelos copolímeros. O escocês Andy Murray costuma a variar entre copolímero e tripa natural. O sacador John Isner é outro adepto do copolímero.

Como avaliar o custo-benefício

O especialista Ricardo Quissak comenta qual tipo de corda apresenta o melhor custo benefício para o tenista. “O multifilamento é uma excelente opção, pois é a que mais se aproxima da tripa natural e ajuda a preservar o braço do tenista. A base de poliamida com poliuretano, ela apresenta aproximadamente 1500 filamentos, proporcionando conforto e maciez, com ótima absorção de vibração.

É importante considerar todos os fatores na escolha da corda, bem como da tensão da raquete, desde estilo de jogo até prevenção de fadiga e desgaste do braço. Como são geralmente importadas, as cordas apresentaram um sensível aumento no preço final para o consumidor brasileiro. A opção por rolos de cordas pode ser mais vantajosa para os tenistas que passam mais tempo na quadra.

E você com que corda e tensão costuma a jogar? Já fez adaptações por algum motivo? Conta para a gente nos comentários.

Tags

Nill Cavalcante

Relações públicas e especialista em mídias sociais e corresponsável pelo blog da Lptennis. Seu sonho é parar de perder pontos por foot fault e sair da quadra com a mesma calma que entrou

Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.