As 10 maiores rivalidades do tênis masculino

As grandes rivalidades estão presentes em todos os esportes, sendo combustíveis que acendem discussão e a torcida. No tênis, não podia ser diferente.

Ao longo dos anos, o público testemunhou embate épicos entre tenistas que marcaram suas respectivas épocas, abaixo listamos algumas delas. Confira!

Roger Federer x Rafael Nadal

Considerada por críticos e fãs do esporte a maior rivalidade não só do tênis, mas também de todos os esportes, reunindo dois dos maiores vencedores de Grand Slam, o chamado Fedal nasceu em 2004 e foram 37 confrontos com vantagem confortável para o espanhol de 23-14.

Em finais, o espanhol também lidera por 14-9 e em finais de Slam por 6-3. Esse ano de 2017, Federer parece ter achado o caminho de vencer o espanhol, foram três vitórias seguidas sobre o espanhol, marca inédita na história do confronto.

Pete Sampras x Andre Agassi

A batalha dos opostos. Dois dos grandes gênios da história do tênis eram o oposto um do outro.

De um lado Sampras, com seu jeito introvertido e reservado, enquanto do outro Agassi era extrovertido e extremamente carismático.

Nas quadras Sampras apostava no seu poderoso saque, do outro lado o forte de Agassi era a devolução. Nesse confronto de estilos, Pete levou a melhor por 20-14, sendo 9-7 em finais e 6-3 em finais de Grand Slam.

Rod Laver x Ken Rosewall

Uma das maiores rivalidades do tênis antecede a Era Aberta.

Esses dois australianos travaram embates memoráveis com vantagem para Laver de 80-63 (!) sendo 36-20 em finais.

Laver é um dos maiores nomes da história do tênis e tem em Roger Federer um grande ídolo “Fiquei estupefato com a oportunidade de bater bola com um dos meus maiores ídolos, estava nervoso e só pensava em acertar o outro lado da quadra” disse o suíço em certa oportunidade que dividiu a quadra com o australiano.

Bjorn Borg x John McEnroe

Outra rivalidade de opostos. Borg jogava com a direita, e era introvertido e reservado, enquanto que o canhoto McEnroe era um tenista temperamental e extrovertido.

Jogaram apenas 14 vezes, muito em função da aposentadoria precoce do sueco, que deixou o tênis aos 26 anos. Empatados em sete vitórias, o americano leva vantagem de 3-1 nas finais de Grand Slam. Cabe lembrar que nunca jogaram no saibro, melhor superfície de Borg.

Stefan Edberg x Boris Becker

De um lado a elegância de Edberg, de outro a força de Becker. Apesar de levar grande vantagem no head to head 25-10, Becker fica atrás quando o assunto são partidas importantes, sendo que Edberg venceu quatro das cinco finais disputadas entre os dois, sendo duas em Grand Slam

Ivan Lendl x John McEnroe

Grandes adversários, os dois tenistas dominaram os anos 80, terminando 8 de 10 temporadas no topo do ranking com a conquista de 13 Grand Slams. Lendl liderou por 21-15, mas McEnroe se deu melhor em finais 12-8. Em Slams, a vantagem, porém, fica com Lendl 7-3.

Jimmy Connors x Ivan Lendl

Maior vencedor de títulos de todos os tempos, Jimmy Connors não poderia ficar de fora dessa lista, nesse embate conseguiu um feito para poucos, levar vantagem no confronto direto contra Lendl. 22-13 para o americano e 4-2 em finais.

Rafael Nadal x Novak Djokovic

Na Era Aberta ninguém se enfrentou mais que esses dois. O espanhol e sérvio travaram batalhas memoráveis, que expunham ao máximo as capacidades físicas e mentais de cada tenista. Era muito difícil apontar quem iria ganhar cada duelo disputado, dado o equilíbrio entre os dois.

No head to head, Djokovic lidera por 26-23 e é um dos poucos tenistas que superam Nadal no confronto direto. Em finais, 14-10 para o sérvio, mas quando o assunto é final de Grand Slam, melhor para Nadal que tem 4-3.

Roger Federer x Novak Djokovic

Em número de jogos, considerando apenas a Era Aberta, esse duelo fica em segundo lugar. São 46 confrontos (um WO de Federer na final do ATP Finals não entra no H2H) com vantagem mínima para o sérvio de 23-22.

Por muito tempo o suíço liderou a contagem, mas depois que reinventou seu jogo, Djokovic passou a frente e leva vantagem em finais com 11-6 e também em finais de Grand Slam com 3-1.

Novak Djokovic x Andy Murray

O atual número 1 do ranking aparece pela primeira vez nessa relação, contemporâneo ao sérvio, o escocês foi o último dos chamados Big Four a ganhar um Slam e também a atingir o topo da lista da ATP.

Leva desvantagem contra os três do Big Four e nesse caso a vantagem de Djokovic é ampla: 25-11, em finais 11-8 para o sérvio, sendo 5-2 em finais de Grand Slam.

O que achou da nossa lista? Comente sobre as rivalidades que vocês mais gostam no tênis!

Nill Cavalcante

Relações públicas e especialista em mídias sociais e corresponsável pelo blog da Lptennis. Seu sonho é parar de perder pontos por foot fault e sair da quadra com a mesma calma que entrou

São Paulo, Brazil http://Lptennis.com

Você conhece a Lptennis.com?


É uma plataforma onde é possível criar e gerenciar rankings, torneios, barragens, aulas, clínicas, metodologia, locações, agenda de quadras e finanças.

Os jogadores interagem com os gestores a partir de uma rede social exclusiva para o tênis e possuem painel de desempenho, H2H e histórico de jogos.

Saiba mais em Lptennis.com




Inscreva-se no Blog da Lptennis.com

Receba nossos artigos e atualizações diretamente no seu e-mail.

ou inscreva-se via RSS com o Feedly!